Nav icon
moda sem gênero
Manual

TOP 5: Novas Marcas Brasileiras Genderless – Moda sem gênero

Postado por Rodolfo Vieira / 19 October, 2018

Não tem para onde fugir, a nova cara da moda masculina é cada vez mais minimalista, genderless e sustentável. E estamos amando muito tudo isso. Confira alguns nomes para por no radar fashion e renovar seu estilo!

Falta (muito) pouco para o ano acabar, mas antes disso, a What Else Mag traz uma lista com as cinco jovens marcas brasileiras genderless ou moda sem gênero, que, aos poucos, despontam no radar de quem está sempre atento às novidades da moda nacional. Para refrescar a sua memória – e o guarda-roupa – ou mesmo apresentar os estilistas por trás das etiquetas, confira agora o nosso Top 5 no momento:

Misci (@misci__)

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Misci (Foto: Ton Gomes)

Criada para unir e sugerir as diferenças como elementos complementares, a marca de roupas Misci surge como um alívio para quem procura uma ideia ou propósito bacana muito além da roupa (e até mesmo do mobiliário, parte de sua coleção de estreia).

Fundada por Airon Martin, 26, a marca do designer mato-grossense busca por meio de suas criações dar vida ao conceito de miscigenação, como quem agrega e abraça o diferente – daí o nome Misci. A inspiração é resultado, sobretudo, de suas raízes sulistas, nordestinas e indígenas, que contribuem para o trabalho multidisciplinar do designer. O que o inclui no grupo das moda sem gênero.

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Misci (Foto: Ton Gomes)

“Human Race”. Como o nome já indica, a coleção de estreia da marca – recém-apresentada na Cartel 011, em São Paulo – traz à tona a questão racial humana como ponto de partida para os shapes amplos e unissex presentes nas peças, permeadas por uma paleta de tons neutros e terrosos, que garantem estética moderna, leve e confortável ao vestuário elaborados com tecidos naturais e brasileiros. Quanto ao mobiliário, materializado pela cadeira UNI (que faz as vezes de namoradeira ou banqueta), o móvel repete o mesmo conceito das roupas e estrela a campanha da coleção ao lado de um casting diversificado.

Nøgen (@nogen.co)

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Nøgen (Foto: Raphael Dias)

Com o coração em Copenhagen e os pés em Pinheiros, a linha de vestuário da loja Casa Diária, idealizada por Raphael Dias e Raffaele Asselta, traz as cores e simplicidade características da Dinamarca como inspiração para as peças destinadas tanto para homens como para mulheres – essência da marca e de Nøgen, que brinca com o trocadilho “no gender”.

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Nøgen (Foto: Raphael Dias)

A coleção de estreia da Nøgen, batizada Louis & Ana, conta a história de dois amigos apaixonados por arte, natureza, e, claro, pela leveza da simplicidade. Vestidos com camisetas, calças, parcas e tricôs, os personagens vestem peças que imprimem o estilo de vida e da arquitetura da capital dinamarquesa, onde a combinação da paleta de cores traduz e conversa com o que a Dinamarca propõe: viver com menos, mas com conforto e tranquilidade.

BEIRA (@beira___)

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Beira (Foto: Rafael Meliga)

Pensada, a princípio, para o segmento masculino, a carioca Beira, da estilista Lívia Campos, é um dos principais nomes no cenário da moda atual para ficar de olho quando a questão é a não limitação de gênero, expandindo sua moda para muito além do nicho feminino ou masculino ou seja uma moda sem gênero

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Beira (Foto: Rafael Meliga)

Fundada em 2014, a marca, permeada por uma paleta de cores monocromática e de modelagem ampla, aposta na construção minuciosa de cada detalhe da costura para dar vida ao DNA exclusivo de suas peças funcionais, com cortes certeiros e uso de tecidos como seda, algodão e seda ecológica. A estreia da Beira no SPFWN45, aliás, trouxe à passarela 22 looks que materializam a expertise de Lívia não só em relação a shapes excepcionais, mas a maneira como a estilista cria a identidade de sua marca por meio da costura. Vale a pena conferir.

MARTINS.TOM (@martins.tom_)

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Martins.Tom (Foto: Otavio Guarino)

Nome já conhecido da Casa de Criadores, Martins.Tom se manifesta por meio de proporções oversized como essência vital da marca. Fundada por Tom Martins e Bruno Dalto, a etiqueta tem como carro-chefe o jeans, visto em jaquetas, bermuda, calça, vestido e casaco. Mas a história não acaba por aí, há outras peças à venda em materiais distintos com o mesmo propósito: unir conforto, versatilidade e proteção em uma só peça.

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Martins.Tom (Foto: Otavio Guarino)

Feita para todo mundo, para todos os corpos. Esse é o foco da marca, que além do caráter atemporal e urbano, apresenta em seu catálogo uma diversidade de seleção com looks que interagem com o xadrez, listra e tecidos lisos. Na 43ª edição da CdC, os sócios trouxeram ainda outro elemento de destaque da Martins.Tom: as collabs, como a sandália com pele, fruto da parceria com a Rider, e os acessórios feitos em alumínio, em parceria com a designer Jana Favoreto.

TORINNO (@torinno27)

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Torinno (Foto: Rafael Pavarotti)

Fundada em 2017, a Torinno é comandada pelo diretor criativo Luis Fiod e caiu como uma luva para os amantes de uma cartela de tons ácidos e uma moda utilitária acompanhada de materiais de qualidade. Como carro-chefe, é o couro que se destaca, em meio às peças de seda estampadas, tricô e a linha de joalheria artesanal, com anéis e pulseiras de prata.

Fiod trouxe a expertise como stylist por 20 anos para a Torinno, que recebe o nome graças à inspiração no zodíaco: Luis, pisciano, tem lua em touro e traz como características força e realização. Não à toa, o designer realizará, talvez, uma das maiores conquistas em sua carreira ainda neste mês, quando estreia no calendário da São Paulo Fashion Week N46.

Marcas Brasileiras Genderless

Campanha Torinno (Foto: Rafael Pavarotti)

O genderless é, também, presente em suas coleções. “Tenho uma relação íntima e antiga com o universo das mulheres. Aliás, apliquei muitos dos ensinamentos do segmento feminino em minha grife. Um exemplo: o uso das roupas. Não mirei num único perfil. Minha jaqueta é voltada para situações. Qualquer um pode vesti-la”, contou o designer ao caderno Ela, do O Globo. Vale a pena ficar de olho!

Se você busca mais novidades na moda brasileira genderless, então confira essas outras matérias sobre marcas que também estão fazendo moda agênero e indo muito além, como a Approve, a Korshi, a D-Aura e a Me Me She.

Fotos: ®Reprodução

O que você achou?