Nav icon
Cult +

Banda Uó dá adeus com um legado POP cheio de brasilidades

Postado por Alisson Prando / 8 December, 2017

Ícones da diversidade e fenômeno POP, após 7 anos de carreira a Banda Uó se despede, mas avisa que ainda continua na rua.

Uma das bandas POP de maior sucesso da década passada no Brasil foi a Banda Uó – foi, no passado, porque agora a Banda Uó já não é – é isso: em comunicado oficial, Mel, Davi Sabbag e Mateus Carrilho, que vieram de Goiânia para São Paulo e emplacaram hits como “Gringo”, produzida por ninguém menos que Diplo, e “Shake de Amor”, anunciaram que após quase uma década de carreira decidiram fazer uma pausa:

Cada um sentiu que era a hora de dar oportunidade para coisas novas. Somos artistas em transformação constante, e sentimos essa necessidade, portanto, esse é o maior motivo para esse acontecimento.”

Banda Uo

Para a despedida, os goianos que se conheceram na noite, lançaram “Tô na Rua”, abrindo mão do bom humor e da ironia, e dando um passo à frente que antes não havia sido conceituado dentro da estética do grupo em seu EP de tecnobrega com versões de Katy Perry e The Killers, e os dois discos, “Motel” (2012) e “Veneno” (2015). Gravado nas ruas de São Paulo, o trio quis passar a imagem atual que eles têm de si mesmos:

Estamos mais maduros, mas ainda sim mantemos o espírito de celebração e festa que sempre foi a maior essência da Banda Uó”, explica Mateus Carrilho.

Sucesso é ter seu trabalho reconhecido em forma do carinho das pessoas. Saber que você ajudou alguém em algum momento difícil com sua música, esteve junto nos momentos de diversão e tudo que você quer é esquecer do mundo. É ter seu trabalho difundido e saber que você fez diferença e deixou sua marca na história“, diz Davi Sabbag sobre o caminho que trilhou com a Banda Uó.

Banda Uo

Para angariar os fãs ao redor do Brasil, a Banda Uó investiu pesado em videoclipes – sua filmografia possui parcerias com estrelas como Karol Conká e Mr. Catra, além de um DVD gravado ao vivo em São Paulo:

O videoclipe dá a vida visual à música, é um meio muito interessante de agregar todas as artes em um trabalho só, música, vídeo, moda… Cria-se uma imagem e dá outra cor para o trabalho. O mercado brasileiro de videoclipe já está muito mais movimentado desde a época que começamos, mas é um lance que dá trabalho e exige muita dedicação. Levantar uma equipe inteira, definir os conceitos, levantar a verba para produzir tudo…. Contamos com muitos parceiros durante toda essa estrada, pessoas que acreditaram no nosso trabalho e fizeram os clipes junto com a gente. Acho que, no momento, todo mundo se dedicando bastante à videoarte“.

Banda Uo

Mesmo tendo uma cara POP, a Banda Uó fez basicamente quase todo seu caminho de maneira independente, junto com a ajuda da Deck Disc.:

Lançar os trabalhos de forma independente na garra, correr atrás de fazer um trabalho sonoro e visual bem feito com poucos recursos e mostrar pro Brasil durante todos esses anos que temos que ocupar nossos espaços que nos são de direito, sendo uma banda com integrantes LGBT, servir de exemplo pros fãs que se sentiam desamparados sem uma figura em que se identificassem pra mostrar que você pode ser o que quiser independente do que você seja“, diz Mateus sobre o seu maior orgulho no trabalho com a banda.

Banda Uo

Quando a Banda Uó entrou em cena na música brasileira, não existia ainda a MPBicha – hoje em dia são muitos artistas trans ou artistas que bebem e se inspiram em ideias relacionadas à desconstrução das identidades e sexualidades, de Liniker às Bahias e a Cozinha Mineira, passando por Linn da Quebrada e Johnny Hooker. Mel Gonçalves que é travesti foi percursora ao empoderar as pessoas T, ocupando lugares na mídia que antes eram pertencentes apenas às pessoas cis:

Eu não sei direito falar sobre ser precursora, eu sempre fiz e pronto. Parei para pensar nisso há pouco tempo e sigo fazendo o meu trabalho da melhor forma que consigo. Estar à frente de algo é sempre uma grande responsabilidade e ter consciência disso é fundamental. A coisa boa nisso tudo é que me sinto ouvida, mas ainda temos muito o que conquistar e todas as vozes devem ser ouvidas. Fico feliz que eu inspire as pessoas trans em continuar, esse é meu único orgulho“.

Banda Uo

A pausa não tem a ver com brigas, é apenas o desejo de mudança pessoal, uma forma natural de encerrar o ciclo que iniciaram há sete anos. Sobre o mercado de música POP atual, com nomes como Anitta e Pabblo Vittar:

Vejo que cresceu e se fortaleceu. Quando nós aparemos o mercado da música pop nacional estava extremamente em baixa. Hoje nós temos artistas suficientes para montar um festival por exemplo. O mercado pop ganhou força. Isso também é resultado de uma geração conectada, que cresceu consumindo pop internacional. Quem revolucionou o mercado pop foi a minha geração, que foi lá e fez com as próprias mãos. A Anitta é exatamente isso. O pop nacional vai ficar cada vez mais poderoso.

Famosa por misturar tecnobrega e POP, a Banda Uó apareceu como um verdadeiro furacão que passou pelos palcos de diversos shows e festivais no Brasil. Agora o público geral poderá acompanhar a David Sabbag, Mateus Carrilho e Mel Gonçalves em carreira solo:

Seremos como os Los Hermanos, se as pessoas pedirem, nós voltaremos e faremos um show!“, brinca Mel.

Fotos: Felipe Cotrim

O que você achou?