Nav icon
Cult +

Navegue Pela Psicodelia Sensorial do Cantor Filipe Catto

Postado por Alisson Prando / 7 March, 2018

Em nova fase, Filipe Catto explora e cai na psicodelia, usando seu corpo e sua voz como objetos de sua arte.

Depois de chegar aos 30 anos, Filipe Catto aparece mais maduro e entregue ao seu trabalho do que nunca. Ele acaba de lançar ‘CATTO’ e entrar em turnê com o show ‘O Nascimento de Vênus’. São muitos os colaboradores dessa nova fase, entre eles: Fabio Pinczowski, o artista assina “Torrente”, Romulo Froes e Cesar Lacerda (“Faz Parar”, “É Sempre o mesmo lugar”), e o produtor Felipe Pueri, da banda gaúcha Wannabe Jalva.

“Fazer esse show foi uma delícia do início ao fim. Todo o universo que se criou diante desse trabalho nasceu de uma forma muito orgânica. Quando chegou a hora de fazer o show, a banda já sabia as músicas, o cenário já estava criado, e eu já sabia o que eu queria. Fui fazer uma turnê em Portugal, enquanto as pessoas aqui no Brasil estavam concebendo esse show. Acho que nunca fui tão cercado por pessoas que eu confiasse tanto.”

Filipe Catto

Natural do Rio Grande do Sul, desde 2006, Filipe Catto que é formado em Design, tem investido pesado na carreira enquanto cantor e arranca unanimidade da crítica em relação a seu talento enquanto vocalista. Mas Filipe Catto agora parece mais experimental em sua sonoridade, abandonou os timbres da MPB clássica e apostou em camadas psicodélicas:

“São várias e imensas referências na construção desse disco, de todos os tipos. Sinto que esse é um disco mais feito de sensações. Fiz o disco com essa sensação que eu tinha de falar sobre a beleza do mundo, esse desabrochar do equilíbrio entre o masculino e o feminino – que é algo que falta no mundo. Acho que os cheiros, os aromas, as minhas viagens – uma coisa do Oriente muito forte…. As vivências que eu tive recentemente que são sensoriais. Referências das músicas do POP delicioso dos anos 80, Rock dos anos 60. Acho que esse é um disco sobre dançar com os sentidos. Tudo que dança dentro de mim me influenciou nesse disco.”

Filipe Catto

‘CATTO’ tem dez faixas – uma delas, “Só Por Ti”, tem Zélia Duncan como parceira. O disco também traz uma versão de um clássico do cancioneiro de Portugal, “Canção do Engate”, de António Variações, e conta com distribuição da Biscoito Fino.

Mesmo que tenha começado sua carreira antes da explosão da MPBicha, cena formada por nomes como Liniker e os Caramelows, As Bahias e a Cozinha Mineira e Johnny Hooker, agora mais do que nunca, de uma maneira autêntica, Catto trabalha temas relacionados ao corpo e a sexualidade:

“A sexualidade é o motor da nossa expressão. E sexualidade, eu digo da sexualidade existencial, da força divina e do fogo que existe dentro da gente. E que é confundido com vários outros nomes, com várias gavetas. Acho que a sexualidade não tem gavetas. Expressar meu interior através da minha arte, da minha música é um privilégio imenso. Acho que essa é a maior viagem que pode existir.”

Filipe Catto

‘CATTO’ aparece como um disco de libertação, não só do coletivo, mas especialmente de Filipe Catto enquanto indivíduo. Essa estética da liberdade vem da observação de vários ícones POP ao longo da carreira:

“Sou absolutamente fã da Madonna desde muito cedo. Ela é uma artista que me influencia muito, assim como o Bowie, a Maria Bethânia, Cher, Caetano Veloso, Elis Regina. Esses artistas que são 360º – que pensam a estética do palco, os clipes, as fotos…. A gente vive em um mundo cada vez mais 360º, e eu me sinto muito confortável nesse lugar – eu sou designer, artista visual também.”

Filipe Catto

“Poder aliar hoje a minha música ao meu corpo artístico – porque estou utilizando meu corpo como objeto da minha própria arte. Isso é muito potente. Acho que a gente está no mundo se colocando de uma forma autêntica, através do nosso corpo, do nosso discurso, da nossa música. Esses artistas são artistas que fizeram isso e me ensinaram bastante.”

Filipe Catto

A capa do terceiro álbum de estúdio de Filipe Catto expõe o artista em foto clicada por Lorena Dini no calçadão de Coney Island, em New York (EUA). Feita no dia de seu aniversário, Filipe aparece andrógino em frente à uma roda gigante, símbolo da região litorânea do Brooklyn que ainda resiste como um epicentro do entretenimento norte-americano. Esse mesmo cenário já foi palco de clipes de Beyoncé e de séries como ‘Seinfield’. Filipe revela sobre si mesmo, com ar de mistério:

“Eu acho que eu estou mostrando tudo o que eu preciso mostrar nessa fase. Sinceramente, não tenho nenhum grilo ou nenhuma história. Tem coisas que eu vou mostrar a partir de agora que eu vou descobrir. Acima de qualquer coisa, a arte para mim é um veículo de autodescoberta. Tem muitas coisas que eu não conheço, e tem muitas coisas que as pessoas não conhecem. Vamos ver o que o futuro guarda?”

Abaixo você pode conferir todo o setlist do novo álbum de estúdio de Filipe Catto. Solta o play!

Agradecimentos especiais: Renato Perez
Fotos: ®Reprodução

O que você achou?