Nav icon
Cineasta Spike Lee
Cult +

Tudo sobre o novo cinema negro através do cineasta Spike Lee

Postado por Alisson Prando / 22 August, 2018

Como as lutas interseccionais contra as opressões se tornaram temas no novo cinema negro.

O cineasta Spike Lee se tornou um dos diretores de cinema mais influentes por sua originalidade estética e suas firmes posições políticas. Filmado em preto-e-branco, sua estreia, “Ela Quer Tudo”, de 1986, foi o primeiro filme dirigido por um cineasta negro norte-americano a ser exibido no festival de Cannes. Foi também no festival francês, aliás, que Lee acaba de lançar seu mais recente filme, “BlackKKlansman”, sobre como o primeiro detetive de polícia negro do Colorado consegue se infiltrar na Klu Klux Klan. Querido em Cannes, em 2018 o diretor foi aclamado tanto pelo impacto de seu novo filme quanto pelas pesadas críticas ao governo Trump.

Cineasta Spike Lee

O cineasta Spike Lee e elenco chegam para a exibição de “BlacKkKlansman” no Festival de Cinema de Cannes 2018 (AFP/Getty Images)

Ícone do cinema afro-americano, o cineasta Spike Lee sempre abordou a temática racial abrindo as portas em Hollywood para uma conscientização sobre os problemas sociais do país. Além de diretor, produtor e roteirista, ele seguidamente atua em seus próprios filmes. Nascido em 20 de março de 1957 em Atlanta, sul dos E.U.A, em uma época marcada pelo preconceito racial, mudou-se com sua família, quando tinha três anos, para o Brooklyn, onde adquiriu toda a sua consciência social.

Cansado da maneira estereotipada que seu povo sempre fora retratado nas telas, Lee tem, normalmente, como tema o racismo, porém, trabalha diferentemente de tudo o que se viu até então, ao mostrar toda a complexidade dos guetos norte-americanos, não apenas os negros, mas os latinos, orientais, mestiços, etc, ele destrói maniqueísmos criados em torno desses temas, mostrando como essas etnias também sabem ser preconceituosas e intolerantes.

cineasta Spike Lee

Denzel Washington e cineasta Spike Lee no filme “Malcolm X.” (AFP/Getty Images)

Assim, desde a estreia Lee conquistava a atenção dos críticos, que, ao verem seu trabalho, previram o surgimento de uma Nova Onda de Filmes Negros (Black New Wave), hoje consolidada. Um cinema autoconsciente de sua responsabilidade política, que trazia uma mensagem progressista – diferentes dos filmes da Blaxploitation, cheios de sexo e violência, mas despidos de mensagens ideológicas.

Na Black New Wave, o cinema considera a experiência afro-americana em seus próprios termos – em vez de ser filtrada por valores brancos, ou ser destinada a uma audiência branca. O primeiro filme de Lee trata de uma mulher negra sexualmente independente que adora confundir os homens à sua volta – narrativa que não só confronta o racismo como também apresenta um novo tipo de feminismo: o feminismo negro, hoje no centrodo debate das questões multiculturais. O filme foi adaptado pelo cineasta Spike Lee para uma versão seriada da Netflix.

Spike Lee

Série do Netflix “She´s Gotta Have It”, baseada no filme de 1986 que lançou o cineasta Spike Lee  (Foto: David Lee/Netflix)

Racismo, feminismo e luta contra a opressão são temas também abordados em novas produções independentes, como “Moonlight”, do diretor Barry Jenkins, “Corra!”, do diretor Jordan Peele, e “Selma: Uma Luta pela Igualdade”, da diretora Ava DuVernay.

O Novo Cinema Negro coloca em evidência o estilo inovador do cineasta Spike Lee já no início de sua carreira, além de exibir uma nova leva de diretores e diretoras negras que ganharam destaque nos últimos anos. Vejamos a sinopse dos melhores filmes para assistir já:

“Ela Quer Tudo” (cineasta Spike Lee)

Cineasta Spike Lee

Nola Darling é uma jovem do Brooklyn. Bem-sucedida e de bem com a vida, possui três namorados: Jamie Overstreet, protetor, educado e sempre bem-intencionado; Greer Childs, vaidoso, rico e arrogante; e Mars Blackmon um cômico e imaturo boy de escritório. Nenhum é capaz de satisfazê-la inteiramente e ela não consegue decidir com qual ficar.

“Faça a Coisa Certa” (Cineasta Spike Lee)

Cineasta Spike Lee

Sal, um ítalo-americano, é dono de uma pizzaria em Bedford-Stuyvesant, Brooklyn. Com predominância de negros e latinos, é uma das áreas mais pobres de Nova York. Ele é um cara boa praça, que comanda a pizzaria juntamente com Vito e Pino, seus filhos, além de ser ajudado por Mookie. Sal decora seu estabelecimento com fotografias de ídolos ítalo-americanos dos esportes e do cinema, o que desagrada sua freguesia. No dia mais quente do ano, Buggin’ Out, o ativista local, vai até lá para comer uma fatia de pizza e reclama por não existirem negros na “Parede da Fama”. Este incidente trivial é o ponto de partida para um efeito dominó, que não terminará bem.

“Malcolm X” (Cineasta Spike Lee)

Cineasta Spike Lee

Biografia do famoso líder afro-americano que teve o pai, um pastor, assassinado pela Klu Klux Klan e sua mãe internada por insanidade. Ele foi um malandro de rua e enquanto esteve preso descobriu o islamismo. Malcolm faz sua conversão religiosa como um discípulo messiânico de Elijah Mohammed. Ele se torna um fervoroso orador do movimento e se casa com Betty Shabazz. Malcolm X ora uma doutrina de ódio contra o homem branco até que, anos mais tarde, quando fez uma peregrinação à Meca abranda suas convicções. Foi nesta época que se converteu ao original islamismo e se tornou um “Sunni Muslim”, mudando o nome para El-Hajj Malik Al-Shabazz, mas o esforço de quebrar o rígido dogma da Nação Islã teve trágicos resultados.

“Febre da Selva” (Cineasta Spike Lee)

Spike Lee

Um arquiteto jovem e bem-sucedido se envolve em um caso extra-conjugal com sua secretária. Só que o que já seria complicado pelo fato dele ser casado, se torna ainda mais porque ele é negro e a menina branca, de origem italiana. Quando as famílias dos dois descobrem, a barreira racial entre eles fica clara, e o caso se transforma em uma disputa entre os membros das famílias, além de já ser um escândalo na cidade inteira.

“Selma: Uma Luta pela Igualdade” (Ava DuVernay)

Spike Lee

Cinebiografia do pastor protestante e ativista social Martin Luther King, Jr, que acompanha as históricas marchas realizadas por ele e manifestantes pacifistas em 1965, entre a cidade de Selma, no interior do Alabama, até a capital do estado, Montgomery, em busca de direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana.

“Corra!” (Jordan Peele)

Cineasta Spike Lee

Chris é um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose. A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

“Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi” (Dee Rees)

Cineasta Spike Lee

A tímida Laura acredita ter tirado a sorte grande quando encontra Henry McAllan, um homem um pouco bruto, mas interessado nela. Logo após o casamento, a família se muda para uma fazenda no chuvoso delta do Rio Mississipi. Enquanto Laura enfrenta dificuldades para se adaptar à vida rural, ela é confrontada com uma família negra, os Jackson, responsáveis por ajudar no trabalho pesado com o plantio e a colheita. Duas posições muito distintas se desenham na família: enquanto o pai idoso de Henry, Poppy McAllan, luta para manter os privilégios dos brancos no terreno, o irmão de Henry, Jamie McAllan, desenvolve uma boa amizade com o filho dos caseiros, Ronsell Jackson, pelo fato de ambos compartilharem traumas da guerra. Um violento conflito de etnias, gêneros e classes sociais marca a convivência entre os McAllan e os Jackson.

“Moonlight: Sob a Luz do Luar” (Barry Jenkins)

Cineasta Spike Lee

Três momentos da vida de Chiron, um jovem negro morador de uma comunidade pobre de Miami. Do bullying na infância, passando pela crise de identidade da adolescência e a tentação do universo do crime e das drogas, este é um poético estudo de personagem.

“Eu Não Sou Seu Negro” (Raoul Peck)

Cineasta Spike Lee

O escritor James Baldwin escreveu uma carta para o seu agente sobre o seu mais recente projeto: terminar o livro Remember This House, que relata a vida e morte de alguns dos amigos do escritor, como Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Junior. Com sua morte, em 1987, o manuscrito inacabado foi confiado ao diretor Raoul Peck.

“Uma Super-Simplificação de Sua Beleza” (Terence Nance)

Cineasta Spike Lee

O cineasta Terence Nance chega em casa após um dia estressante e encontra uma chamada perdida na secretária eletrônica. É um recado da jovem com a qual vinha tentando estabelecer uma relação amorosa. Ela diz que não poderá vir ao encontro combinado e que aquele é o fim da relação dos dois. A partir desse fato, ele percorre passo a passo o caminho da relação entre os dois. Misturando imagens documentais, animações e ficção, ele dá vazão a sua obsessão como em um diário íntimo, perguntando-se os motivos por trás da desistência dela.

O que achou da lista?! Só filmão imperdível. Veja também nossa matéria sobre outros grandes diretores do cinema mundial, como Stanley Kubrick, Alfred Hitchcock, Bruce LaBruce e Xavier Dolan. Bom filme!

Fotos: ®Reprodução

O que você achou?