Nav icon
Jean Paul Gaultier
Manual

O fantástico e enigmático mundo fashion de Jean Paul Gaultier

Postado por Alisson Prando / 29 November, 2017

Queridinho da Cultura POP, Jean Paul Gaultier procura beleza na transgressão e na diferença.

Jean Paul Gaultier é uma das maiores lendas do mundo da moda. Sua carreira exuberante, recheada de metiês, diretores de cinema, estrelas POP e tecidos nobres, conta com 40 anos. Desde 2014, o francês abandonou o prêt-à-porter para se concentrar apenas na alta-costura – grupo seleto por 20 maisons, que produzem peças sob medida na França.

Jean Paul Gaultier

Sabrina Sato usa look da última coleção de Jean Paul Gaultier no  prêt-à-porter em evento que o estilista promoveu no Rio

Sempre talentoso, o estilista não recebeu formação tradicional de moda. Começou enviando croquis a estilistas famosos e foi contratado por Pierre Cardin, tornando-se seu assistente em 1970. Em 1976, lançou sua primeira coleção individual. A partir da década de 80, passou a assinar peças cada vez mais provocativas, e no final da mesma década realizou seu trabalho mais importante em termos de cultura POP: cria o ‘histriônico soutien de cones dourados’ que Madonna vestiu em sua turnê mundial ‘Blond Ambition’ (1989) durante a performance do sucesso “Like a Virgin”.

Jean Paul Gaultier

Madonna veste o icônico corset desenhado por Jean Paul Gaultier na sua turnê ‘Blond Ambition’ em 1990

Esse espetáculo foi um dos mais épicos de toda carreira de Madonna: era transgressor, imponente, crítico, revoltado, forte, herege. A turnê era uma extensão de Madonna em todos os sentidos: do seu ego e do seu corpo. E nada podia combinar mais com essas características do que a irreverência de Gaultier com sua perspectiva única. O ícone máximo da turnê nada mais foi que o seu figurino, em especial os dois espartilhos. Madonna declarou uma vez que adorava Gaultier por transformar o símbolo opressor feminino em um signo de poder feminino.

Jean Paul Gaultier

Com inspiração rock ‘n’ roll anos 80, Beth Ditto desfila na passarela primavera-verão 2011 de Jean Paul Gaultier em Paris

No entanto, a parceria e simbiose artística entre os dois continua até os dias de hoje. Em sua recente turnê ‘MDNA’ (2012), durante o número de “Vogue”, Madonna usou uma nova versão do espartilho feito de metal, dessa vez em preto e branco, futurista e metalizado.

Outra musa do designer é Beth Ditto. A vocalista da banda Gossip também causou furor ao desfilar ao lado de Gaultier em 2011. No seu casamento, a queridinha dos indies e hipsters, vestiu-se para a cerimônia com uma peça exclusiva.

Em 1984, Jean Paul Gaultier, inspirado pelo movimento punk que já era bastante utilizado na moda da época, apropriou-se das modas usadas nas ruas e lançou saias masculinas – ele comprava kilts em brechós e bazares de Londres e colocava isso no furacão da moda: Paris. Hoje em dia as saias masculinas ainda são consideradas exóticas, no entanto, Gaultier foi um dos pioneiros na alta moda a utiliza-las.

Jean Paul Gaultier

Em sua coleção ‘Homens de Saias’ Jean Paul Gaultier creditou o estilo Buffalo dos anos 80 a inspiração para os looks provocantes

Gaultier se inspira muito em propostas abstratas, que muitas vezes são um reflexo social de algo contemporâneo, e usa muitos elementos do BDSM e Navy em suas roupas. O enfant terrible gosta muito de brincar com a mistura de gêneros, deformação de silhuetas e isso tudo sempre sem deixar de ser sexy, algumas vezes beirando o kitsch.

Brincalhão, poético, transformador, e festivo, Gaultier vai além da música e também trabalha com ícones do cinema. Seu vestuário reflete a beleza e as diversidades culturais. Futurista da moda, é um dos favoritos do diretor Pedro Almodóvar. No filme ‘Kika’ (1993) e ‘Sob A Pele Que Habito’ boa parte do vestuário saiu da maison do revolucionário da moda.

Jean Paul Gaultier

Elementos de BDSM e Navy são constantes nas coleções de Jean Paul Gaultier

A aparição de Gaultier também acontece em filmes blockbuster, a bandagem da personagem Leeloo Dallas, interpretada por Milla Jovovich, no filme ‘Quinto Elemento’ do cineasta Luc Besson, também remete ao futuro. No mesmo longa, Bruce Willis usa jeans e uma blusa laranja. Jean foi atraído pela forma altamente visual com que Besson articula suas histórias, segundo o próprio: “Seus personagens, antes que pudessem dizer uma única palavra, poderiam ter seu lado psicológico lido só pela sua aparência”.

Na Semana de Moda Masculina de Paris em 2011, Gaultier novamente exalou Cultura POP, se inspirando nos filmes de James Bond. A plateia se surpreendeu ao ver os modelos entrando armados na passarela do desfile. As armas, porém, eram cenográficas, que foram usadas para incrementar o espírito da coleção.

Jean Paul Gaultier

No outono-inverno 2011 a coleção de Jean Paul Gaultier trouxe a franquia do cinema 007 como tema

Nesse mesmo desfile, Jean Paul Gaultier surpreendeu seu público, ao misturar em seu desfile androgenia e masculinidade de uma maneira como ninguém faz, a não ser o ‘enfant terrible’. Para tanto, ele utilizou o modelo sérvio Andrej Pejic. Adrej esteve no desfile feminino do verão de 2011 de Gaultier, em outubro de 2010. O garoto tem o dom de fazer tanto desfiles masculinos como femininos. Seus traços delicados, seus longos cabelos loiros e seu corpo magro, pareceu se encaixar perfeitamente na inspiração de Gaultier, focada no universo de James Bond, misturado ao de suas Bond Girls, ou como ele mesmo preferiu, James Blond.

Jean Paul Gaultier

O modelo sérvio Andrej Pejic incorpora tanto James Bond como suas famosas Bond Girls na passarela

Em 2013, Jean Paul Gaultier não desfilou na Semana de Moda de Paris, mas sim fez um strep-tease com a sua coleção – o estilista fez com que os modelos tirassem as roupas com inspiração na década de 1970 com sobreposições numa apresentação para poucos convidados. No mesmo ano também provou seu amor a moda Navy – não à toa transformou a camisa listrada em azul e branco dos marinheiros bretões em ícone. O resultado da coleção foi uma releitura do estilo marinheiro, com direito a tatuagens reproduzidas em ricos bordados.

Jean Paul Gaultier

Modelos tiram a roupa na apresentação para imprensa e convidados durante o outono-inverno 2013

Complexo, o ‘enfant terrible’ tem uma coleção variada de colaborações que vão do cinema a música, dos videoclipes aos shows, da dança contemporânea à fotografia. Desconstrutor de gênero e da beleza publicitária, no início de sua carreira, publicava anúncios em jornais onde procurava por calvos, louras voluptuosas e andróginos esqueléticos: “Queria modelos incomuns – belezas não convencionais precisam aparecer”.

Celebrando a vanguarda e a inventividade do seu design, a obra de Gaultier atualmente viaja em algumas exposições pelo mundo em Museus de Multimídia – Londres, Paris, New York. Desde muito cedo, sua moda reflete uma compreensão das questões e preocupações de uma sociedade multicultural, balançando-se, com um invariável bom humor, a estética e os códigos éticos e sociais.

Jean Paul Gaultier

Peças icônicas do estilista na exposição ‘O Planeta Moda de Jean Paul Gaultier. Da rua às estrelas’ que rodou o mundo

Jean Paul Gaultier tem alma de pop-star, através de sua criatividade e ousadia à flor da pele, se tornou um dos maiores expoentes da moda, assim como fez com sua marca. Sua maior inspiração, tanto na moda quanto na perfumaria, onde suas fragrâncias são campeãs de venda, é o espartilho rosa e a camiseta de marinheiro, ícones usados nos frascos de seus dois mais famosos perfumes.

Jean Paul Gaultier

Campanha com referência navy do famoso perfume masculino ‘Le Male’ de Jean Paul Gaultier

Jean Paul Gaultier encontra beleza na diferença e na ironia. Depois de décadas de serviços prestados à indústria da moda e as identidades queer, ele ainda não se enxerga como um ícone da moda: “Não me olho. Prefiro não me ver no espelho — brinca. — Prefiro ver os outros, mas na vida real, não no espelho.”

Fotos: ®Reprodução

O que você achou?