Nav icon
Jorge Grimberg
Radar

Como se manter criativo em tempos digitais, com Jorge Grimberg

Postado por Rodolfo Vieira / 24 August, 2018

Em tempos de intensas transformações tecnológicas, o jornalista fala sobre como usar as redes sociais a seu favor.

Aos 36 anos, Jorge Grimberg se mantém como um dos principais porta-vozes do país quando o assunto envolve criação de conteúdo criativo e indústria da moda, especialmente, em tempos chacoalhados pela intensa ascensão do digital e a nossa consequente (e necessária) adaptação aos novos formatos de comunicação.

Formado em administração e apaixonado por moda, o jornalista e stylist se firmou na área após acumular expertise em comportamento e tendências no portal WGSN, ao passo que contribuiu para grupos consolidados na área de moda tanto no Brasil quanto na América Latina. A vontade de criação, de querer produzir e incentivar seus propósitos o posiciona, hoje, como correspondente oficial de plataformas como Business of Fashion (BoF) e Vogue USA, além de diversas colaborações em publicações nacionais.

Jorge Grimberg

Lançamento do seu livro Vida Criativa na Livraria da Vila

O manual para isso encontra-se impresso nas páginas de “Vida Criativa”, primeiro livro assinado por Jorge, que traz respostas e ressalta o papel fundamental da criatividade quando o desejo é o de encontrar sua própria voz em uma era abarrotada de informação. Então primeiro de tudo. Confira nosso bate papo com Jorge Grimberg e saiba como traçar o caminho em busca de sua realização, sobretudo, pessoal.

1. Jorge, conte para nós como tudo começou. O que te fez enxergar que sua formação em administração não era o que você desejava profissionalmente?

Eu sempre fui apaixonado por moda e quando me formei, procurei emprego na área. Comecei trabalhando na área comercial do (portal de tendências) WGSN e vender informação para os maiores grupos de moda do Brasil e America Latina. Atuando na área, eu sempre buscava oportunidades para criar. Comecei fazendo reports de street style e depois me encontrei como escritor. Criei guias de São Paulo e perfis de estilistas. Investindo tempo e energia no trabalho de escritor, consegui espaço em diferentes publicações, como BoF e Vogue America, o que foi me dando confiança para mudar o rumo da minha carreira.

Jorge Grimberg

Jorge em viagem recente ao Marrocos

2. Você acha que o autoconhecimento profissional, descobrir a área pela qual mais se identifica e interessa, é mais fácil de ser descoberto hoje? Há novas formas de pensamento ou mesmo de expressão pessoal? 

Não acho que seja mais fácil, pelo contrário, acho mais difícil. Quando eu comecei, não víamos o que todos estavam fazendo como acontece hoje com o Instagram. O trabalho era mais reservado de alguma forma e era mais fácil ter foco. Hoje, com as redes sociais, vemos muita informação que acaba confundindo nosso propósito. Às vezes estamos seguindo um caminho e vemos uma foto ou um vídeo que nos desviam do caminho. Nos faz desejar outras coisas que não estavam no nosso radar.

3. O que e como é ser um criativo na atualidade? Como uma Vida Criativa pode ser alcançada? 

Ao mesmo tempo que as redes sociais confundem nosso propósito, se usadas de maneira inteligente, elas podem ser o centro de novos negócios. Hoje, com uma conta no Instagram, podemos divulgar produtos e serviços sem a necessidade de intermediários. Ser um criativo hoje é um desafio no sentido de escolher e seguir um caminho com tanta informação que nos influencia e tantos negócios que estão se extinguindo, enquanto novos surgem.

4. Na sua opinião, tendo em vista as mudanças cada vez mais recorrentes no mercado para o jornalismo, sobretudo de moda, há um cenário otimista para quem deseja seguir a carreira? 

Os jornalistas devem expandir seu trabalho para serem criadores de conteúdo. Esse é um movimento global e não vamos voltar para trás.

Jorge Grimberg

O empresário compartilha constantemente sua rotina fashion no Instagram

5. Em meio a vasta quantidade de informação gratuita e de fácil acesso, em razão da ascensão tecnológica, o jornalismo tem se adaptado de forma adequada aos novos formatos de veiculação de conteúdo e alcance ao leitor ou há muito ainda a ser adaptado? 

É uma constante adaptação e transformação. Existem influenciadores que são verdadeiros formadores de opinião em suas áreas de expertise e os consumidores confiam neles. As revistas e jornais não podem mais separar online e offline, o mundo é um só. Ainda hoje, em sua maiorias, os veículos privilegiam conteúdos e editores importantes para o impresso e conteúdo mais barato no digital, sendo que o leitor está no digital e o alcance é muito maior. As estruturas devem mudar e os profissionais devem vir do digital para ensinar novas práticas.

6. Em Vida Criativa, você destaca o rompimento de paradigmas como uma característica presente em grandes personalidades da moda. Qual padrão você acha ultrapassado no contexto atual e que merece ser deixado para trás? 

Todos os padrões estão sendo questionados no momento e as indústrias criativas estão se reinventando. A evolução da internet nos permite ter ferramentas para tudo. Podemos ser especialistas em design, fotografia e edição de vídeo através de aplicativos, então conseguimos expressar a criatividade de inúmeras formas, usando nossas plataformas sociais como empresas. Eu tenho um apreço enorme pela tradição e modelos tradicionais de negócios, porém quem ignorar o que a tecnologia nos proporciona, ficará para trás.

Jorge Grimberg

Jorge Grimberg posa para o fotógrafo Arthur Seixas em editorial do portal Universo AA

7. Grandes grifes passaram a dispor de coleções voltadas ao universo masculino, é possível que, futuramente, o interesse do homem pelo mercado de moda masculina adquira um novo espaço na moda ou é algo já em andamento? O movimento genderless, por exemplo, poderá eventualmente ser visto como “tendência”? 

A relação do homem com a moda é muito diferente da relação da mulher. Enquanto as marcas insistirem em fazer o mesmo, os resultados serão sempre inferiores em termos de números. O homem não precisa trocar de bolsa ou sapato o tempo todo. Um exemplo de negócio que tem dado certo é o aplicado no mercado de streetwear com as marcas, como Supreme ou Palace, lançando “drops” em edição limitada ao invés de coleções. Esse modelo vem sendo copiado pelo mercado de luxo que tem tido muito sucesso com coleções em edição limitada. O nicho é o futuro para o mercado masculino. Seja ele alfaiataria, com o uso de tecnologias para peças sob medida, ou skate e surf.

8. Muito se fala sobre a facilidade disponível a geração millennial, o que você acha que impede os jovens de realizarem seus desejos? 

Medo, insegurança, depressão. Ao mesmo tempo que as redes sociais nos libertam por serem plataformas de comunicação livres, elas nos aprisionam por receio de não dar certo. A exposição não é pra todo mundo e isso assusta.

Jorge Grimberg

Lançamento do Prêmio Novos Talentos GQ + Reserva

9. Qual conselho que você dá para quem deseja se destacar em um universo concorrido de redes sociais muitas vezes repleto de pessoas com os mesmos interesses? 

Fazer as coisas com amor e propósito. Para mim, as coisas começaram a dar certo quando eu entendi que os meus posts e vídeos devem ser um serviço. Devem realmente servir ao próximo. Eu converso com pessoas que adoram moda. Podem se inspirar com uma ideia de um look, uma inspiração de uma coleção que eu gostei ou um texto que escrevi. Não são projetos de vaidade. Quando eu entendi isso, as coisas começaram a mudar.

10. Olhando adiante, como você enxerga o futuro das gerações que já encontram-se, no âmbito profissional e pessoal, em uma fase agitada de transformações significativas graças à difusão das redes sociais e tecnologia? 

Cada vez fica mais difícil prever a longo prazo o que vai acontecer. Ninguém esperava que 10 revistas brasileiras fossem fechar as portas de repente deixando mais de 500 jornalistas nas ruas. É uma constante observação e adaptação. Para entender o futuro, é sempre bacana olhar para os muito jovens e entender como eles pensam e interagem com o mundo. A troca de gerações nunca foi tão importante.

Você pode conhecer mais sobre o trabalho do Jorge Grimberg seguindo seu Instagram. Veja também nossa entrevista com outras mentes criativas do Brasil, como o cantor Rodrigo Alarcon, o produtor Leo Justi e o DJ Dre Guazzelli.

Fotos: ®Reprodução

O que você achou?