Nav icon
moda brasileira
Fashion

Moda Brasileira: O Que Esperar das Coleções Outono/Inverno 2018

Postado por Thássio Marcelo Aragão / 21 March, 2018

A Casa de Criadores chegou a sua 42ª edição e é reconhecido por fomentar novos talentos e valorizar a criação autoral na moda brasileira, lançando tendências no streetwear que inspiram os looks dos fashionistas de plantão. Confira as coleções, tendências e novidades para o outono/inverno 2018!

Durante 5 dias do último mês de Novembro, a cidade de São Paulo foi palco de uma das semanas de moda mais interessantes, empoderadas e criativas da moda brasileira: a tradicional Casa de Criadores. Na sua edição de Outono/Inverno 2018, a 42ª do evento, 16 coleções de marcas e estilistas independentes apresentaram suas propostas de moda masculina para a estação mais fria, revelando as tendências que influenciarão o streetwear jovem a partir de agora. Acompanhe cada uma em detalhes:

ACRVO

moda brasileira

Anote este nome! A coleção intitulada como Insight” resgata o projeto inicial do que é a Acrvo. Livre de conceitos únicos e temáticas limitadas, espere encontrar uma coleção com diversos temas e estéticas a fim de traduzir o crossover de informações e referências que vivemos atualmente. Cada peça é vista como um insight, buscando traduzir a diversidade do mundo contemporâneo sem se prender a um único tema.

moda brasileira

As estampas autorais continuam sendo o carro-chefe da identidade da marca, estampas com referências circenses, florais, estampas de lenços, místicas e por aí vaí! Atenta aos detalhes, a marca buscou técnicas de bordados que foram desenvolvidos pelos estilistas e também uma linha exclusiva de acessórios incluindo, bolsas, carteiras de mão e também lenços.

ANOTHER PLACE

Moda Brasileira

Dando continuidade à série de peças inspiradas nos sentidos, a Another Place, marca conhecida no mercado por criar peças sem gênero e atemporais, traz como referência para sua quinta coleção os dramas atuais que nossa sociedade está mergulhada, como a luta de gênero, a censura nas artes, a repressão religiosa, entre outras.

Apelidada de “Open You Heart”, traz para o público um pedido, uma motivação: abrir o coração e ser o que somos. É desta forma, acredita a ANP, que se conseguirá reverter o momento atual em algo positivo. Toda essa vontade se traduz em peças que possuem recortes, mostrando o interior de cada um. Algo que para o inverno brasileiro super aceitamos bem.

Moda Brasileira

A marca utiliza, pela primeira vez, uma estampa – um militar multicolorido – mostrando que lutar pode e deve ser divertido, sem armas e com verdades. Além disso, aposta também numa cartela de cores vibrantes. Afinal, somos um país tropical!

BEN

Moda Brasileira

Flertando com a alfaiataria sem deixar a estética esportiva de lado, a Ben traz para sua coleção de outono/inverno 2018 um mood que beira o loungewear, trazendo as estruturas e shapes arquitetônicos que fizeram fama da marca.

Moda Brasileira

A cartela de cores transcende os básicos e aposta em tons terrosos e avermelhados, além de detalhes en azul bebê. As texturas vinílicas e padronagens trazem o referencial futurista típico da marca e que esperamos ver muito nas ruas nesta temporada.

CAROLINE FUNKE

Moda Brasileira

Desfilada no projeto LAB da Casa de Criadores, a estilista Caroline Funke traz a fantasia para sua apresentação e mostra uma coleção de outono/inverno 2018 com cartela de cores vibrante, composta por tons de amarelo, vermelho e rosa sorbet.

Moda Brasileira

A marca injeta frescor para a tradicional estética mórbida da estação, sendo uma moda original capaz de chacoalhar a vestimenta masculina do óbvio. Vale arriscar tudo, galera!

CARTEL 011

Moda Brasileira

O diretor criativo da marca, Cristian Resende, tem em Ney Matogrosso uma grande referência para a primeira coleção da Cartel 011 a desfilar, já que ele personifica a essência de liberdade a frente de seu tempo, leveza, transformação e atitude que ele deseja gerar com a sua moda.

A atitude da coleção vem da década de 1980, onde pensamentos libertários e a leveza do ser davam as diretrizes. Um contexto em que o politicamente incorreto era maneiro e ícones controversos como Cazuza e o próprio Ney Matogrosso enfrentavam o senso comum e faziam com que tudo fosse muito mais divertido, livre e leve.

Moda Brasileira

Grande destaque do desfile, que revive um ícone da cultura pop do Brasil 80 é a T-Shirt branca estampada com a frase “Prefiro Toddy ao tédio”, da escritora Ledusha Spinardi, do livro “Risco no Disco”, de 1981, eternizada por Cazuza naquela mesma década. A peça reproduz a original usada pelo cantor, em 1986, foi lançada oficialmente no desfile da coleção CZO – que teve o apoio da marca Toddy, conhecida por ser original e inovadora, apostando sempre em plataformas diversas e comunicação aberta com várias gerações.

D AURA

Moda Brasileira

Da marca minimalista D-Aura, a proposta para a estação reside na investigação de formas que figuram realidades invisíveis, apoiando suas linhas na obra de Michel Foucault nomeada ‘heterotopias”, insterstícios nasce da vontade, em primeiro lugar, de explorar. Essas características expandem-se através de sua materialidade, ainda que essa esteja carregada de virtualidades visuais.

Moda Brasileira

Seus tecidos provocam investigações sensoriais em diferentes campos. Explora tecidos como o algodão encerado, jeans e tricoline, trabalhando suas superfícies em suas texturas, buscando diferentes visualidades em cada composição. Suas formas exploram a construção de shapes oversize que flertam com a alfaiataria e propõem, em primeira instância, um jogo visual de luz e sombra.

Parcas, chemises, camisetas alogadas, macacões e calças aparecem aqui relidas pela paleta branca, cortada por elementos pretos que exploram essa característica da luz, convidando quem a assiste a investigar suas construções.

DIEGO FÁVARO

Moda Brasileira

A coleção do jovem designer fala sobre essa guerra virtual que vivemos nos dias de hoje e, para representar isso, ele buscou referências em roupas militares, roupas de combate e que protegem o corpo da radioatividade.

Moda Brasileira

“HATERS é a continuação da coleção anterior, uma das ramificações que me levou ao estado de depressão no final do último ano passado. O mundo esta cada vez mais virtual, não trocamos mais olhares. Isso faz com que pessoas mal intencionadas pratiquem ataques sem motivo, e muitas vezes, ataquem sua própria identidade.” – Diego Fávaro

Moda Brasileira

O trabalho foi fortemente desenvolvido em sarja, contrapondo também à peças confortáveis de malharia. A marca fez algumas parcerias assinadas também, como os tênis assinado com a passarela.com, os bonés assinado por com a Starter e as meias assinadas com a Underful. A cartela de cores permeia entre o preto, branco, off white, verde militar e marrom. O streetwear elaborado de Diego Fávaro já é um dos mais disputados entre os jovens e promete não ser diferente com esta coleção.

FELIPE FANAIA

Moda Brasileira

Vamos ao conceito da coleção: uma tribo de surfistas havaianos da década de 90 precisou abandonar as águas e se adaptar as selvas de pedra, fugindo dos ataques de tubarões. Trouxeram com eles toda a sua filosofia e princípios, porém tiveram que adequar todo o seu guarda roupas sem perder a essência do Surf!

Exóticos e divertidos, os óculos servem como escudos, sejam coloridos ou pretos, todos desenvolvidos em colaboração com a Chilli Beans especialmente para esta coleção. Os acessórios maxicolares e pulseiras, todos têm uma leitura mais urbana, correntes grossas mescladas com elementos marinhos desenvolvidos pela Nart Studios. A paleta é bem ampla, muita cor, assim como os shapes, aparecem bem amplos também, tendência emergente no streetwear global que o designer sabe traduzir como ninguém.

Moda Brasileira

Os tecidos mais usados são o neoprene, nylon, e os jeans metalizados em parceria com a Vicunha, nos pés os tênis da Pace. Com styling de Rober Dognani e beleza da Naira Chibbi, este desfile com pegada pop já chegou na loja do estilista Das Haus.

FICO POR DER METROPOL

Moda Brasileira

A Fico, uma das maiores marcas brasileiras de surfwear, participou pela primeira vez da Casa de Criadores, em parceria com a Der Metropol, label de streetwear do designer paulistano Mario Francisco. A nova coleção foi inspirada no legado da marca, fundada em 1983, e que continua fazendo história até os dias de hoje. A Der Metropol, veterana no line-up do evento, realizou a sua segunda colaboração na Casa de Criadores – a primeira aconteceu na edição anterior do evento, em maio de 2017, com a FILA.

Espere encontrar um número enxuto de modelagens, mas que extrapola na extensa variedade de cores, seguindo o mood das coleções de surfwear para 2018. A cartela varia entre neons, como amarelo e rosa, e tons mais fechados, como o azul. O principal tecido utilizado é um empapelado, que possui aspecto e toque de papel, 100% impermeável e reciclável, fazendo a conexão que o surfe tem com a natureza. Tecidos de fibras naturais, como o linho, também se destacam entre as peças.

Moda Brasileira

As estampas trazem ilustrações coloridas feitas à mão, com um traço leve e autoral. O ilustrador, Marcelo Augusto, criou artes originais com elementos estéticos importantes dentro do portfólio da marca. Entre as estampas, está também uma releitura de um desenho clássico da Fico com uma pegada atual e moderna.

Os elementos estéticos do surfwear são incorporados em peças do streetwear, como os quadrados com ilhoses para amarrar as bermudas, que são espalhados pela coleção nas calças e punhos de jaquetas. De acordo com Mario Francisco, diretor criativo e fundador da Der Metropol, a nova peça que mais representa a parceria entre a Fico e a Der Metropol é a bermuda. Nela, ele uniu a modelagem larga do streetwear, com o comprimento a partir do joelho e barra arredonda, características comuns nas bermudas de surfe.

HANGAR 33

Moda Brasileira

A Hangar 33 se inspira neste outono/inverno 2018 no conceito Nose Art – pintura feita pelos militares nos aviões de guerra – para apresentar a coleção NOT TODAY”. Assinada pelo diretor criativo Rafael Varandas, a coleção traz uma reflexão sobre como o comportamento individual e coletivo dos soldados influenciaram a vestimenta da aviação no período.

A marca realiza ainda uma analogia com o movimento punk da década de 70, que também se expressava por meio da arte como escape para driblar a repressão. O street style da época se destaca pela customização, com o uso de peças destroyed e com a aplicação de patches e broches, trends que estão em voga atualmente.

Moda Brasileira

Para apresentar o dualismo, a Hangar 33 traz para a passarela o contraste entre peças clássicas e modernas. As jaquetas, peças-chave da marca, aparecem com acabamento em náilon, sarja tingida e sarja resinada, além do tradicional couro.

IGOR DADONA

Moda Brasileira

A nova coleção do estilista Igor Dadona fala sobre a caça as bruxas e como ela ainda existe em nossa sociedade. Dentro da Idade Média, a caça as bruxas era comum pelo simples fato de mulheres serem mulheres. segundo Igor, atualmente a ‘caça as bruxas’ continua. Desta vez pela orientação sexual, religiosa, raça e sexo.

Moda Brasileira

Sendo assim, o estilista utiliza de símbolos que falam de força e persistência através das estampas e aplicações, mostra a união das coisas boas e más no universo através do contraste de branco e preto, além de mencionar a natureza e liberdade com tons terrosos.

LUI LAROCHESKI

Moda Brasileira

“Um encontro do improvável. Uma junção da experimentação, do streetwear e do mundano”, declarou Lui Iarocheski sobre sua proposta para o outono/inverno 2018. Mais do que um conceito baseado em formas, ele leva consigo novas possibilidades estéticas para a moda masculina brasileira em tempos de uma sociedade mais consciente.

Com sua coleção Une Robe D’Été”, Lui propõe uma filosofia simples: recriar conceitos e processos dentro de uma perspectiva artística que não comprometa as preferências de estilo, redefinindo o vestuário para o zeitgeist atual, com profundidade de ideias.

“Parece história de louco dizer que o maior insight para a coleção surgiu num momento de mindfulness, sentado numa mesinha de calçada na rua de pedestres mais movimentada de Florianópolis. Decidi ali que não procuraria mais pelo que é bom e belo nas pessoas. Agora vou em busca do real. Pois, enquanto o bom está sempre vestido em roupas falsas, irreais, o real está nu e cheio de orgulho apesar das cicatrizes.”

Moda Brasileira

O objetivo desse experimento é explorar através do conceito de realismo uma conexão com pessoas reais – neste caso os jovens garotos avistados pelo centro de Florianópolis. O trabalho portanto questiona que quando o criador está totalmente presente no momento e num cenário social ele é capaz de encontrar inspiração no mundano e na relação das pessoas com o senso de certo ou errado na moda.

Há também um paralelo inspiracional direto com o curtametragem ‘Um Robe D’Été” de François Ozon. Assim como o trabalho de Lui Iarocheski, o filme toca em temas como sexualidade, performance de gênero e homoerotismo. O filme influencia claramente a cartela de cores mais luminosa utilizada pelo estilista conhecido pela sua austeridade com o uso de cor. O estilista fez seleção especial de peças da collab feita com a marca brasileira de streetwear KOROVA. As peças da collab serão mais acessíveis e estão disponíveis pelos canais de venda da KOROVA.

MARTINS TOM

Moda Brasileira

A moda genderless da Martins.Tom estreou na Casa de Criadores com uma coleção inspirada na cantora Clara Nunes. O propósito de vestir a todos os corpos é traduzido em peças de tamanho único, modelagens espaçosas e shapes amplos, enfatizadas pelo jeans, carro chefe da coleção.

moda brasileira

Com o styling de Marcell Maia, as peças vão do despojado ao elegante, prontas para servir a missão do outono/inverno 2018 da Martins.Tom: sofisticação e conforto para todos.

OCKSA

moda brasileira

Också investiu numa coleção produzida com técnicas de moulage – também conhecida como draping –, que consiste na subtração e reaproveitamento de matéria prima, e tricô manual.

Assumindo completamente a direção criativa da marca, Igor Crivellaro trouxe novos shapes e criações que ganham uma leitura mais conceitual do que as últimas coleções. Com materiais como algodão, viscose, sarja, moletom, nylon impermeável e linho, as peças se dividem nos tons preto, chumbo, musgo e laranja.

moda brasileira

Além das roupas, acessórios em Tyvek se destacam completando as composições com mochilas, pochetes, bolsa saco e bolsa caixa. Nos pés, a marca fez parceria com a Melissa para os calçados com os modelos Daikanyama e Ulitsa, já os óculos são Karen Walker.

RAFAEL CAETANO

moda brasileira

O estilista Rafael Caetano continuou seu trabalho falando sobre a cultura queer. Inspirou-se no time de futebol gay Unicorns para criar uma coleção cheia de diversidade e brilho. A cartela de cores permeia o lilás e rosa em contraste com preto.

moda brasileira

Os looks são extremamente urbanos, com um styling repleto de bonés, chuteiras e sobreposições de biquines. Dentre os materiais destacam-se o tule bordado, veludo e muito paetê. Quem disse que homem no gosta de brilho?!

SENPLO

moda brasileira

A Senplo é uma marca que possui a ambição de desenvoler um estilo, relacionado a uma elegância despojada, equilibrada e confortável com inspiração na conexão entre a cidade e a praia. E como ela sempre possui a mesma inspiração de tema, cada coleção acaba sendo um capítulo deste livro.

moda brasileira

Para o outono/inverno 2018 a coleção da Senplo traz uma estética atemporal e investe na modelagem ampla, roupas formais com materiais casuais e confortáveis, novas proporções e tecidos naturais texturizados, além de uma cartela de cores mais sóbria e que preza pelo monocromático.

Fotos: Felipe Rufino

O que você achou?