Nav icon
nu festival
Cult +

Nu Festival promete transformar bairro em galeria a céu aberto

Postado por Thássio Marcelo Aragão / 22 September, 2017

Diversos artistas da nova geração da arte pública ocuparão as ruas do bairro paulistano Pinheiros com obras de grandes formatos e diferentes técnicas, que vão da pintura ao tricô, mostrando que a arte de rua vai além do grafite.

O Nu Festival, evento de arte pública apresentado pelo Nubank com curadoria e realização do Instagrafite, canal digital com mais de um milhão de seguidores que cobre arte urbana e mapeia jovens artistas a partir de São Paulo, anuncia quem são os artistas que vão criar obras gigantes em diferentes áreas do bairro Pinheiros, em São Paulo, de 25 de setembro a 8 de outubro.

Todas as obras serão produzidas a partir da data de início do evento, e o público poderá acompanhar a evolução dos trabalhos – que ficarão como legado do festival ao bairro de Pinheiros, onde fica a sede do Nubank. O prédio do escritório, na esquina da Rua Capote Valente com a Avenida Rebouças, irá concentrar atividades gratuitas e exclusivas, entre elas palestras e workshops, que vão acontecer durante os dois finais de semana do evento.

Confira abaixo quem são os nomes da nova geração da arte pública que vão reimaginar a cidade no festival:

GLEO

nu festival

Gleo (Cali, Colômbia) é uma artista urbana, muralista, que usa tinta látex, pincéis e rolos de pintura para criar personagens imaginativos e vibrantes inspirados nas tradições e na cultura colombiana, além das referências pictóricas de animais e simbolismos espirituais. Com trabalho colorido, detalhado e minucioso, Gleo impacta com suas cenas místicas que já chamam a atenção de cidades na Colômbia, México, Espanha, Holanda e Suécia. É hoje um dos nomes mais promissores e inovadores dentro da arte de rua mundial. De olho no Instagram.

ANNE GALANTE

nu festival

Anne Galante (São Paulo, SP) é bacharel em Estilo-Moda pelo SENAC em 2008. Após trabalhar em muitas empresas do ramo, não concordou com a forma de produção e criou sua marca focada em tricô e crochê artesanal, a Señorita Galante. Sempre em busca de inovação, começou com moda, mas também faz decoração e arte. Tricota desde seus 12 anos, com o sonho de não deixar essas técnicas desaparecerem, resgatando os benefícios para a saúde do ato de fazer manual, o bem-estar e enredando reflexões sobre o consumo e a produção consciente. Em tempos de frenesi generalizado onde tudo é “fast”, ela propõe um contraponto para esse ritmo desenfreado, o “slow”: enquanto ela tricota, o público interage assistido um movimento lento que de ponto em ponto forma-se uma peça gigante, tal qual são os sonhos, onde passo a passo se torna realidade. De olho no Instagram.

FERNANDO CHAMARELLI

nu festival

Fernando Chamarelli (Bauru, São Paulo) é um artista plástico e ilustrador formado em design gráfico pela UNESP. Seus primeiros interesses artísticos começaram com HQs, caricaturas e retratos realistas. Mais tarde, se envolveu com a arte de rua e tatuagem. O universo de fantasias e sensações de Fernando é criado a partir de dez pilares: espiritualidade, misticismo, história, simbologia, mitologia, filosofia, astrologia, ocultismo, antropologia e geometria. As obras com cores vibrantes e uma infinidade de elementos retratam os exóticos seres que habitam a mente deste jovem artista. Suas pinturas são como mosaicos, onde as formas orgânicas e linhas harmônicas se entrelaçam para criar intrigantes personagens. Uma linguagem visual contemporânea que faz o observador viajar através do tempo e perceber grandes conexões entre o antigo e o moderno, oriente e ocidente, interior e exterior e especialmente entre o material e o espiritual. Chamarelli já participou de exposições coletivas e realizou exposições individuais também fora do Brasil, em várias cidades dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, México, Espanha, Alemanha, entre outros países. De olho no Instagram.

COLETIVO MUDA

nu festival

O Coletivo MUDA (Rio de Janeiro, RJ) vê a cidade como um laboratório de transformação. MUDA vem de mudança. Associada à arte de rua, as suas intervenções espaciais alteram de fato a natureza das cidades, onde espaços públicos agora servem de palco para as suas mais variadas manifestações através de composições de azulejos, seu principal material de trabalho. A partir de uma forte ligação com a arte urbana e a cidade, o grupo formado em 2010 pelos designers Bruna Vieira e João Tolentino, e pelos arquitetos Diego Uribbe, Duke Capellão e Rodrigo Kalache, iniciou suas experimentações com interferências no espaço público, que em pouco tempo se tornaram instalações complexas e pragmáticas. Cada intervenção é site specific, ou seja, pensada exclusivamente para o local em que será instalado, e seus módulos estudados para manter a harmonia total da composição. O azulejo branco, limpo, polido, que além de possuir uma carga histórica muito forte, contrasta com os espaços esquecidos da cidade dando nova vida às nossas paisagens urbanas. De olho no Instagram.

CRIOLA

nu festival

Criola (Belo Horizonte, Minas Gerais) é a identidade assumida por Tainá Lima para apresentar o seu trabalho artístico, enquanto mulher e representante negra no mundo do graffiti. Faz parte da nova geração de artistas urbanos brasileiros e conduz a sua produção diante das assimilações cotidianas e dos embates constantes sobre as mais diversas questões, pautadas principalmente no universo feminino e orientadas através da busca pela conexão consciente com a sua ancestralidade através de uma paleta de cores vibrante, com matrizes africanas. Bacharel em Design de Moda pela Universidade Federal de Minas Gerais, ela também lança mão do vestuário como linha de pesquisa. Criola pode ser considerada a primeira porta-voz da nova safra feminina de artistas urbanas que utilizam o graffiti como instrumento de afirmação e empoderamento negro. De olho no Instagram.

RENAN SANTOS

nu festival

Renan Santos (Canoas, Rio Grande do Sul) é ilustrador autodidata. Estudou arquitetura, mas decidiu mudar sua trajetória para fazer o que realmente gosta: desenhar. Do desenho para a gravura em metal, da gravura para a pintura. Hoje em dia trabalha nos três segmentos consecutivamente mantendo sempre a mesma identidade. Dentre os trabalhos que fez, estão publicações infantis e infanto-juvenis, murais de grandes escalas, trabalhos estampando roupas e objetos, exposições e feiras de arte. Recentemente ilustrou uma reedição de “Dom Quixote”. Das diversas exposições coletivas, dentro e fora do Brasil, três se destacam: Galeria Hatos, em Tóquio, Galeria Hellion, em Portland e, em Paris, na galeria Artistik Rezo. O estilo de trabalho vem baseado nas histórias ilustradas no séc. XIX. Com desenhos cheios de hachuras feitos em chapas de cobre e impressos manualmente, resgata em suas peças a forma e as técnicas de artistas como Gustave Dore, J.J. Grandville, Edmund Dulac e outros ilustradores que influenciam seu trabalho. De olho no Instagram.

LELO

nu festival

João Lelo (Rio de Janeiro, RJ) é artista carioca autodidata, mais conhecido por seu trabalho de muralismo, que realiza desde 1999. Sua produção abrange também pinturas, desenhos, gravuras, vídeos e, mais recentemente, esculturas e objetos. Suas obras têm como característica as composições geométricas de forte diagramação construtivista, onde animais, pessoas ou imagens mais abstratas – escolhidas por possuírem alguma simbologia interessante – são retratados de forma sintética. Representados pela interação de formas chapadas, texturas e padrões criados e desenvolvidos pelo artista, ou reaproveitados de algum material encontrado. Seus trabalhos já foram exibidos em exposições e publicações no Brasil, Argentina, Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Áustria, Grécia e África do Sul. E seus murais podem ser vistos por todo o mundo, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde tem seu estúdio atualmente. De olho no Instagram.

TOCO-OCO

nu festival

Guilherme Neumann e Lara Alcantara (São Paulo, SP) são formados em Artes Visuais pela Faculdade Belas Artes de São Paulo. Trabalham juntos há 10 anos, participando de diversas exposições, individuais e coletivas, e, desde 2012, desenvolvem a Toco-Oco. Produzidos com diversos materiais como madeira, resina, tecido, cerâmica e cera, os bonecos são para adultos e crianças. Além disso, produzem esculturas, instalações de parede, pinturas, aquarelas e o que mais vier à mente. De olho no Instagram.

VJ SUAVE

nu festival

VJ Suave (São Paulo e Argentina) é formado por Ceci Soloaga e Ygor Marotta e trabalha com animação, onde quadro a quadro é projetado na superfície urbana, misturando tecnologia com arte de rua. Com suas obras, a dupla propõe um momento único de conexão entre o espectador e a cidade, misturando histórias animadas com vida real. A animação é desenvolvida a partir de desenhos rabiscados à mão e projetados de acordo com a arquitetura do espaço: paredes, árvores, edifícios e diferentes superfícies da cidade. Através dos seus “Suaveciclos”, bicicletas criadas com projetores, invenção do próprio casal, eles levam projeções às ruas e se comunicam com pessoas através de desenhos, animações e poesia. De olho no Instagram.

Nu Festival
Quando: De 25/09 a 8/10
Programação: 30/09 a 01/10 e 7/10 a 8/10 – Rua Capote Valente, 39 – Pinheiros – SP
Grátis

Fotos: Divulgação

O que você achou?