Nav icon
Obras de arte de Keith haring
Cult +

Keith Haring – A reinvindicação do espaço público através da arte

Postado por Alisson Prando / 10 October, 2018

Um dos pioneiros da street art, Keith Haring dedicou sua vida a emancipar a sociedade através de arte nos espaços públicos.

Rebelde, criativo e inovador: esses são adjetivos que poderiam muito bem descrever a persona de Keith Haring, artista plástico e visual que se estivesse vivo teria completado 60 anos. Haring nasceu em 4 de maio de 1958, nos EUA numa pequena cidade chamada Kutztown. Desde cedo, desenhou figuras que expressavam a sua preocupação pelo que se passava no mundo.

artista keith haring

Nos anos 80, ainda jovem, Keith Haring mudou-se para Nova Iorque, onde frequentou a Escola de Artes Visuais. A vida desta cidade, o hip-hop, o breakdance e os grafites influenciaram desde logo este artista. As obras de arte de Keith haring começaram a ser notadas em bares, paredes das ruas e até nos túneis do metro as pinturas que fez para o Metro de New York tiveram um grande sucesso. Mas nem tudo foi fácil, justamente por se expressar nas ruas da cidade, Keith Haring várias vezes foi detido em batidas policiais que não entendiam sua expressão e quão importante era para ele ocupar as ruas, afinal de contas, para a sua geração de artistas, que tem nomes como Basquiat e Andy Warhol, era importante que as artes ocupassem todos os lugares, especialmente os meios massivos e populares e não só os museus e galerias, que ainda hoje permanecem com públicos elitizados.

artista keith haring

É verdade que Haring viveu pouco: ao todo sua vida teve 31 anos, quando faleceu devido a complicações por conta do vírus do HIV, no entanto, sua vivência foi potente o suficiente para marcar o século 20 e 21 – não é à toa que ainda hoje temos diferentes opiniões sobre expressões e intervenções urbanas como grafite ou pixação, verdadeiras tatuagens urbanas – e se hoje essas discussões encontram-se um pouco mais progressistas, há de se agradecer à genialidade e as obras de arte de Keith haring.

O artista criou desde logo um complicado código visual, por exemplo, ele criou uma forma de desenhar um cão, e a partir daí passou a desenhá-lo sempre da mesma maneira. Suas obras tornavam-se assim facilmente reconhecíveis por todos, Keith usava a linha de contorno com traço grosso, tornando as suas figuras muito simples e as cores que mais gostava de usar eram as primárias e as secundárias.

artista keith haring

Foi amigo de Madonna e Grace Jones, contemporâneo de Basquiat e discípulo de Andy Warhol. O espírito de sua arte sempre foi de ocupação e liberdade. Ativista social, sua arte não pretendia sequer ter valor de mercado. Seus temas favoritos incluíam bebês radiantes até salsichas voadoras e cachorros transformados em divindades, sempre desenhados em espaços públicos inutilizados. Apesar de parecer simples, as obras de arte de Keith haring eram extremamente autorais e complexas: Ele inventou uma linguagem simbólica, como se fosse seu próprio alfabeto, um alfabeto para os novos tempos.

Keith Haring teve estúdio no Lower East Side e fez política através de composições que falavam da prevenção da AIDs, quando ninguém queria falar sobre a condição social, do abuso de drogas, do apartheid na África do Sul. Vida, morte, amor, sexo e guerra — a famosa lista dos temas que abraçou.

artista keith haring

Andy Warhol e Keith Haring no clube noturno The Tunnel em Nova Iorque, 1986

Haring teve o mestre da pop art, Andy Warhol, como figura de referência e foi este quem em 1986 o incentivou a abrir uma loja — descrita como extensão do próprio trabalho. A Pop Shop, em Manhattan, vendia pins, crachás, pôsteres e t-shirts com os desenhos de Haring. Abriu outra em Tóquio, em 1987, encerrada no ano seguinte, enquanto a loja nova-iorquina perdurou até 2005 e hoje existe apenas na Internet.

Keith Haring também foi um dos pioneiros da queer art, fazendo do homoerotismo um tema recorrente em sua obra. Sendo autodeclarado gay, sua sexualidade aparecia em várias de suas grafias, fálicas e bastante irônicas aos sistemas visuais heteronormativos.

Em 1986, assinou projetos públicos encomendados e fez murais por todo o mundo, incluindo um sobre a sida, no bairro de Raval em Barcelona, e outro no Muro de Berlim, a apelar à unificação alemã. Em vida, chamaram-no a participar na Bienal de São Paulo e na Veneza e a expor, por exemplo, no Museu de Arte Moderna de São Francisco.

Keith Haring está hoje representado em dezenas de coleções, incluindo o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, o MoMA. As obras de arte de Keith haring ganhou valor desde seu desaparecimento.

KEITH HARING PELO MUNDO

Tuttomondo – Pisa, Itália

artista keith haring

Pouco antes de morrer, em 1990, Keith Haring fez esse mural a poucos minutos da Torre de Pisa em uma parede do convento dos Frades de María da Iglesia de Santo Antônio.

Todos Juntos Podemos Parar El Sida – Barcelona, Espanha

artista keith haring

Originalmente pintou este mural em 1989 na Praça de Salvador. Em seguida, como a obra destruiu-se por conta do tempo, em 1996, a reproduziram no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona.

Crack is Wack – Harlem, Manhattan, Nova York, Estados Unidos

artista keith haring

Talvez uma de suas criações mais icônicas, foi criado como um aviso e foi inicialmente executado de forma independente, sem permissão da cidade. O mural foi imediatamente colocado sob a proteção e jurisdição do Departamento Municipal de Parques e ainda existe. Trata sobre a epidemia do crack.

We The Youth – Filadélfia, Pensilvânia, Estados Unidos

artista keith haring

Criado em 1987, é o único mural colaborativo do artista que é mantido no mesmo local onde foi criado. Na 22nd Street e Ellsworth St.

Curtiu a matéria? Veja também o trabalho de novos artistas contemporâneos como o argentino TEC e as cenografias de João GG. Além do retorno triunfal do visionário Damien Hirst. Boa leitura!

Fotos: ®Reprodução

O que você achou?